O FRACASSO DA HASHTAG “ ELE NÃO “ E O FANTÁSTICO SUCESSO DA HASHTAG “ ELE SIM “

Segunda-Feira, 05/11/18

O FRACASSO DA HASHTAG “ ELE NÃO “ E O FANTÁSTICO SUCESSO DA HASHTAG “ ELE SIM “

... E de repente, artistas que se banhavam nas águas doces, calmas, fáceis e milionárias da poderosa Lei Rouanet resolveram agir como militantes oportunistas de uma esquerda (decadente, ultrapassada e corrupta, diga-se de passagem), na tentativa desesperada de derrotar o candidato Jair Messias Bolsonaro. Na propagação da HASHTAG “ELE NÃO”, ouvia-se o canto de um pássaro noturno do tipo: " ELE NÃO “ porque ele é racista; “ ELE NÃO” porque ele é machista; “ELE NÃO” porque ele é homofóbico; “ELE NÃO” porque ele é um retrocesso; “ ELE NÃO” porque ele alimenta o discurso do ódio; “ELE NÃO” porque ele é um atraso na política, e por aí vai. Contudo, no dia 28 de outubro, o dia do segundo turno das eleições/2018, lá por volta das 19 horas e 5 minutos, A NAU DOS INSENSATOS desses artistas fracassados e velhacos em sua visão política e social quanto à utilização do dinheiro público, chocou-se com um grande ICEBERG (Jair Messias Bolsonaro com os seus 57.797.847 de votos), e foi ao fundo das águas turvas da desmoralização de uma classe artística burguesa, arrogante, pedante, ordinária e desonesta. O uso da Lei Rouanet por esses mesmos artistas é uma prova inconteste dessas afirmações. Tudo começou quando o candidato Jair Bolsonaro teve um lampejo de inteligência ao afirmar que a Lei Rouanet, como hoje é utilizada por artistas ricos e famosos, seria drasticamente modificada. Mas, o que significa mesmo a Lei Rouanet? A Lei Rouanet é a lei federal de incentivo à cultura, aprovada no governo do presidente Fernando Color de Mello, e que tem como principal objetivo apoiar novos artistas, artistas do povo, artistas não projetados pela poderosa mídia etc. Por essa lei, esses artistas podem obter de uma empresa ou de uma pessoa física recursos financeiros para seus projetos artístico-culturais; ficando essa empresa ou essa pessoa física com o direito de abater esses recursos no pagamento do imposto de renda anual. Portanto, os todos os recursos oriundos dos incentivos da Lei Rouanet são recursos públicos, são impostos da população brasileira, tão miseravelmente explorada. Explicação mais simples do que essa, impossível. Mas a Maracutaia na Lei Rouanet excluiu os artistas do povo, os artistas iniciantes e os artistas não acobertados pela poderosa mídia e deixou reinando artistas milionários, famosos, vaidosos, acobertados pela poderosa mídia, desonestos, bem como promotores de shows eróticos, vazios de conteúdos, de baixíssima qualidade e que agridem a família e a ordem. E, como decadência pouca é bobagem, ainda se dizem de esquerda e socialistas. Olha o esquerdismo e o socialismo destes artistas desmoralizados e desonestos: obtinham (e ainda obtém) grandes recursos da Lei Rouanet para produzirem shows ruins, patéticos, bizarros, blasfemos, hereges, e, não satisfeitos, vendendo ingressos caros para a população. A patética e estúpida HASHTAG “ELE NÃO” só poderia fracassar. Se você quer maiores informações sobre os nomes dos principais artistas que mamaram (e ainda mamam) nas tetas da Lei Rouanet, em seu celular e/ou em seu computador, vá ao You Tube e, na página de pesquisa, digite: os artistas que mamam nas tetas da Lei Rouanet. Você ficará perplexo com o que vai ver, isto é, você vai ver o que você vai ver! Eis um dos motivos (mais adiante você saberá de outros) pelos quais resolvi vestir a camisa, fazer campanha e votar no 17, sem nenhum drama de consciência. Viva a liberdade! Viva o direito da livre escolha! Viva o direito da expressão de ideias e pensamentos! Viva o direito de se manifestar publicamente! Viva o direito do voto sem o maldito maniqueísmo da esquerda psicopata e opressora! Viva a democracia! Viva o Brasil puramente verde, amarelo, azul e branco. Os Brasileiros e Brasileiras de bravura indômita lutarão até às últimas consequências para que a BANDEIRA BRASILEIRA JAMAIS SEJA VERMELHA.

Professor Jorge Barros.

Jorge Barros

Jorge Barros

Professor da UESB, poeta, ator e agitador cultural


Deixe um comentário:



Captcha


Joao Hoje, 13/11 às 04:11

Precisa rever seus comentários professor estão muito evasivos!!!
» Responder