Na UESB - Campus de Jequié, uma obra inacabada, para a vergonha da classe política de Jequié

Quarta-Feira, 22/05/19

A foto desta coluna desconstrói o discurso falso - moralista - estúpido daqueles que amam viver sob o domínio de Vitória da Conquista e afirmam que precisamos fortalecer a UESB, e não lutarmos pela criação da Universidade Estadual do Rio Das Contas - UNERC. Enquanto obras no Campus de Vitória da Conquista (sede da administração da UESB) tem início, meio e fim, no Campus de Jequié, a construção do Módulo da Área de Saúde (foto) está relegada ao abandono; dia-após-dia ela está exposta à chuva, ao sol, ao sereno, ao descaso e às trevas da noite. O mato e o lixo são as suas companhias constantes. Os estudantes do Curso de Medicina do Campus de Vitória da Conquista têm aulas práticas e outras atividades no prédio próprio, construído em 2006. Mas, no Campus de Jequié, para os alunos do Curso de Medicina, a realidade é bem outra, bem humilhante, haja vista que o prédio que serviria ao curso é uma obra inacabada; ele é uma vergonha exposta para o curso, para o campus e para a sociedade jequieense. Vale aqui salientar que o Curso de Medicina de Vitória da Conquista foi implantado em 2004, e o seu prédio foi inaugurado em 2006. O Curso de Medicina de Jequié foi implantado no segundo semestre de 2009, mas o seu prédio não passa de um elefante-branco, de um símbolo de desperdício do dinheiro público, afetando consideravelmente a qualidade e a evolução do curso, bem como a formação dos alunos. A subserviência à administração de Vitória da Conquista produz tudo isso; produz o subdesenvolvimento. Por acaso alguém já presenciou alguma mobilização da classe política de Jequié para exigir do governador verbas para a conclusão dessa importante obra para a sociedade jequieense como um todo? A classe política de Jequié é ou não “INCONPETENTE”? Palavra grafada com N antes do P, de propósito. Sugestão de leitura nesta coluna: 1 - Oscar Wilde para iniciantes, de Allan Percy, da Editora Sextante; 2 - Dom Quixote, de Miguel de Cervantes, da Editora Nova Cultural. Boas leituras.

Professor Jorge Barros



Jorge Barros

Jorge Barros

Professor da UESB, poeta, ator e agitador cultural


Deixe um comentário:



Captcha