Farol da Barra, 30 de junho - Mais uma cena do campo de batalha

Segunda-Feira, 08/07/19

Fomos às ruas; fomos às praças; não nos acovardamos. As verdades, por mais cruéis que sejam, devem ser ditas; jamais devem ser ocultadas. A esquerda governou este país durante 16 anos, e essa é sua maldita herança: rastros de imoralidades politicas; desgoverno acentuado e contundente; exemplos de roubos e práticas de saques às estatais; rastros de pequenos e grandes crimes políticos, nunca antes vistos na história do Brasil descoberto por Cabral, exatamente no dia 22 de abril; teorias e práticas de falta de ética e decoro exatamente no campo politico etc. Diante do que foi exposto, que moral tem a esquerda socialista vermelha marxista-leninista-stalinista de falar mal do governo Bolsonaro? Que moral tem essa mesma esquerda maldita de exigir do governo Bolsonaro, em seis meses, o que ela mesma destruiu em 16 anos? Que moral têm os esquerdistas malditos de hostilizarem os eleitores de Bolsonaro? Até as ultimas consequências lutaremos em defesa do novo governo, enquanto ele governar em defesa do Brasil, claro; não participaremos do tabuleiro de xadrez montado pela desordem dos corruptos e oportunistas porcos e ratos socialistas vermelhos, que trabalham na perspectiva do quanto pior, melhor (para eles, os destruidores). Para a esquerda maldita, mais um aviso: Se Bolsonaro não cair na mesma vala que caíram os criminosos da politica durante os dezesseis anos de trevas, BOLSONARO 2022! O verde e amarelo dominaram o Farol da Barra naquele ensolarado e alegre dia 30 de junho; nenhuma bandeira vermelha marxista-leninista-stalinista foi vista; nenhum pneu foi queimado; nenhuma nudez escrota foi exposta; nenhum xingamento foi ouvido; nenhum ato de violência explícita foi presenciado. A NOSSA BANDEIRA JAMAIS SERÁ VERMELHA! Livros e filmes indicados nesta coluna - Livros: 1. O fantasma da ópera, de Gaston Leroux, Editora L&PM POCKET; A cidade nossa de cada dia, de Raimundo Matos, da ALL PRINT EDITORA; 3. Som – Imagem no Cinema, de Luiz Adelmo F. Manzano, da Editora Perspectiva. Filmes: 1. Bem - Hur/1959, do diretor William Wyler, primeiro filme a ser premiado com 11 Oscar da Academia de Cinema, incluindo o de melhor filme; 2. O diário de Ann Frank/1959, do diretor George Stevens, premiado com o Oscar de melhor atriz coadjuvante para Shelley Winters. Bom passatempo com os livros e filmes.

Professor Jorge Barros

Jorge Barros

Jorge Barros

Professor da UESB, poeta, ator e agitador cultural


Deixe um comentário:



Captcha