E a impunidade no Brasil continua

Segunda-Feira, 03/04/17

...E a impunidade no Brasil continua

De volta ao lar, Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Os dois filhos menores, um com onze anos, e o outro com 14 anos, não podiam ficar em seu luxuoso apartamento no bairro do Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro, sem Mamãezinha Querida. Aí a ministra Maria Thereza de Assis Moura, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), resolveu ser condescendente com a mãe bandida, tirando-a de uma das celas do Complexo de Bangu para que a mesma cumpra a sentença no regime de Prisão Domiciliar; certamente para dar mama aos seus dois garotinhos. A soltura da marginal teve como justificativa a prática de um ato humanitário. Mas só para ela? A bandida Adriana Ancelmo foi presa no dia 06 de dezembro de 2016 em consequência de seu envolvimento na Operação Calicute, braço da Lava Jato no Rio de Janeiro. Ela e o marido, o Pilantra Sérgio Cabral, estão envolvidos até à medula em um tenebroso esquema de roubalheira do dinheiro público (formação de organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção passiva, aliciamento, falcatruas, maracutais etc) que levou o estado do Rio de Janeiro à Falência, à Bancarrota. O Marido, por enquanto, continua preso também no Complexo de Bangu, mas já pensa em fazer delação premiada. Brevemente os brasileiros terão de ouvir a agressiva notícia de que ele, apenas marcado por uma suave tornozeleira eletrônica (adorno), irá também para o seu monumental apartamento para comer churrasco à beira da piscina, pizza à lá carte no salão nobre, e, é claro, também para cuidar da mulher, dos dois filhos, dos bens e do dinheiro que roubou dos cofres públicos. A justiça brasileira está brincando com a paciência do povo. Em nenhum momento parou para refletir sobre a seguinte realidade: O povo, como, aliás, muitas outras coisas, tem o seu lado bom e o seu lado mau. Ao mesmo tempo é útil e perigoso. Chegou a hora de cercar Brasília e exigir justiça, porque muitos já pedem a Intervenção Militar.

Professor Jorge Barros.

UESB-Campus de Jequié

Jorge Barros

Jorge Barros

Professor da UESB, poeta, ator e agitador cultural


Deixe um comentário:



Captcha