Bolsonaro e o Vídeo Pornográfico da Discórdia

Segunda-Feira, 11/03/19

...E o presidente Jair Messias Bolsonaro, segundo os seus malditos lacradores de plantão, agiu com falta de decoro; agiu com falta de decência. Para estes, ele afrontou a honra da poderosa família brasileira ao postar, em um canal das redes sociais, mais precisamente em seu Twitter, um vídeo de depravação sexual de dois homens em via pública, no carnaval de São Paulo. Ao fazer isso, choveram comentários ácidos e corrosivos de todos os lados, inclusive de alguns de seus falsos aliados. Comentários do tipo: Bolsonaro quer acabar com o carnaval; o que é Golden Shower?; Bolsonaro escolheu uma das raras cenas de pornografia em um carnaval tido como perfeito; durante o carnaval, o presidente rasga a fantasia do ultraconservadorismo, divulga cenas escatológicas e expõe não só o Brasil ao mundo como revela uma perigosa falta de decoro e uma ausência completa de liturgia presidencial necessária ao cargo; o presidente da quarta maior democracia do mundo se dedicou a aberrações; mandato conservador causa indignação; foi um dos atos mais violentos que um chefe de Estado já fez a moralidade pública. Um presidente não pode caluniar o próprio povo; se fosse nos EUA, caberia pedir exame de sanidade ao presidente. Ele precisa de intervenção psíquica; a quebra de decoro pode até mesmo justificar um pedido de impeachment; incompatível com a postura de um presidente. Uma bola fora, etc. Belos discursos feitos por filósofos esquerdistas e direitistas em um bordel de décima quinta categoria, à beira de uma estrada deserta e escura. Se isso acontecesse nos Estados Unidos, Donald Trump não divulgaria em seu Twitter porque os autores das cenas agressivas tomariam uma boa dosagem de cadeia radical. E se isso acontecesse na China, na Coréia do Norte ou em Cuba, os chefes ditadores desses guetos socialistas não fariam nada porque, certamente, os dois degenerados ficariam à mercê de um pelotão de fuzilamento. Na China, as famílias dos mesmos teriam que comprar as balas. E o que é realmente falta de decoro, falta de ética e falta de atenção às normas da prudência? Bolsonaro, por ser presidente, não tem o direito de se indignar com toda a imoralidade que foi exposta no carnaval? É vedado a ele o direito de mostrar, de forma explícita, as cenas pornográficas e chocantes daqueles que não respeitam os pais e os filhos que foram às ruas para se divertirem durante o carnaval? Bom seria se no momento das cenas depravadas esses lacradores pífios passassem com suas famílias. Acredito que não fariam declarações estúpidas e idiotas contra a atitude do presidente. Fiz uma análise de muitas declarações contrarias a Bolsonaro e não li nenhum comentário de repúdio aos autores das cenas de sexo explícito em via pública; o que dá a entender que os ordinários lacradores amaram a imoralidade exposta. Não é à toa que se diz que um sapato roto é para um pé doente. Em Recife, alguns blocos carnavalescos bradaram aos quatro cantos a música Ei, Bolsonaro, Vá Tomar No... (você já sabe qual o final da frase). A imprensa esquerdista-socialista bandida, canalha e dona da falsa moral calou-se diante desse fato. Já que se exige respeito, tudo deve ser respeitado, inclusive o presidente. Não é porque você é radicalmente contra o presidente da República isso lhe assegura o direito de agredi-lo moralmente; o seu embate com ele deve ser no campo político-ideológico; na campanha e no dia D da urna. Por essa corajosa atitude, Aplausos Para Bolsonaro É melhor você Jair se acostumando com o melhor estilo disque 0800 Jair Messias Bolsonaro.

Professor Jorge Barros

Jorge Barros

Jorge Barros

Professor da UESB, poeta, ator e agitador cultural


Deixe um comentário:



Captcha