A vitória de Bolsonaro - Ao vencedor as batatas!

Quinta-Feira, 08/11/18



Pela postagem na coluna anterior, na qual eu expressei livremente o meu voto em Bolsonaro17, na seção de comentários, muitos ataques a minha pessoa foram feitos. Que moral tem essa esquerda vagabunda e aliada aos mais terríveis bandidos e lacaios da República de pronunciar as palavras fascismo, democracia e ética? Ainda bem que ela não subirá a rampa do Palácio do Planalto no dia 01 de janeiro! Fora Esquerda Imoral e Lixão da República! Como não podem ficar perguntas sem respostas, por partes, as respostas são dadas nesta coluna. Dada a minha participação na campanha do 17, questionam-se se sou artista, se participo de espetáculos, se produzo espetáculos etc. Se alguém é artista ou não, somente o distinto público pode dizê-lo. Logo, não custa nada fazer alguns relatos sobre a minha pessoa no mundo das artes, para que os leitores desta coluna possam julgar-me. Ei-los: autor do projeto de criação da Coordenação de Cultura da UESB-Campus de Jequié, 1996/1997; coordenador das Mostras de Teatro Amador, UESB-Campus de Jequié, em 1995, 1997, 1998, 1999 e em 2000; presidente da Comissão de Implantação do Curso de Licenciatura em Artes com Formação em Teatro ou Dança, UESB – Campus de Jequié, 2006 - 2010; coordenador de vários Seminários Sobre o Drama Inglês (Teatro de W. Shakespeare) no Curso de Letras da UESB, em disciplina de literatura ministrada pela Professora Doutora em Literatura Infantil, Maria Afonsina Ferreira Matos; coordenador do I Encontro de Escritores de Jequié, em novembro de 2014, marcando presença no mesmo, o professor, escritor e poeta Ruy Espinheira etc. Último espetáculo produzido por mim: “Café Society no jardim da ADUSB-Campus de Jequié em um entardecer de agosto, ao som da Velha Guarda da MPB e de Clássicos do Cinema”. espetáculo este apresentado exatamente na tarde fria do dia 23 de agosto deste ano. Se assistir a espetáculos é participar dos mesmos, lá vão alguns dos últimos que eu os assistir: grandes musicais da Broadway montados em São Paulo ( considerado a Broadway Brasileira) – O fantasma da Ópera; Minha bela dama; Miss Saigon; O rei leão; Cats; Mamma Mia; Os miseráveis; Evita; Amor sublime amor; O Mágico de Oz; A madrinha embriagada; Cantando na chuva; Cabaré, Chicago, Um violinista no telhado, Chaplin; Os produtores; Peter Pan; Alô, Dolly!; A flauta mágica ( ópera de Mozart); O matrimônio secreto ( ópera italiana); O homem de La Mancha etc. Grandes musicais produzidos no Brasil - Chacrinha, o musical; S’imbora – A história de Wilson Simonal, o musical; Hebe - O musical; os dez mandamentos (musical); O musical Cartola, o mundo é um moinho; Roque Santeiro - O musical etc. Últimas peças vistas – Afinal, o que foi que aconteceu com Baby Jane? Ratos e homens; A visita da velha senhora; Leão no inverno, Galileu, Galilei; Vermelho; A exceção e a regra etc. últimos shows musicais vistos - Orquestra Sinfônica de São Paulo, na Sala Júlio Prestes; o show do Popstar Sir Paul McCartney, na Arena Fonte Nova; o show de Edu Lobo, no SESC 24 de Maio, em São Paulo; o show de Roberto Carlos, em Salvador. Os últimos shows de dança vistos- apresentação da Companhia de Dança da Cidade de São Paulo e do Balé da Ucrânia, ambos no Teatro Municipal de São Paulo. Nas artes visuais - visitas constantes ao Museu de Arte de São Paulo (MASP) e visita à última Bienal Internacional de Artes de São Paulo, em 2016 etc. Arte Circense – última apresentação do Cirque du Soleil, em Salvador. Últimos filmes vistos em cinemas – O destino de uma nação; Três anúncios para um crime; Me chame pelo seu nome; Eu, Tônia; A forma da água; Star Wars – Os últimos Jedi; Lágrimas sobre o Mississipi etc. Se alguém quer as aprovas, terá que ir a minha residência para eu mostrar canhotos de ingressos, fotos, encartes, camisas, canecas, programas etc. Somente os medíocres e páreas sociais não se dão conta de que a verdade pertence a história e ela sempre triunfa. Continua na próxima coluna. A vitória de Bolsonaro - Ao vencedor as batatas!

Professor Jorge Barros

Jorge Barros

Jorge Barros

Professor da UESB, poeta, ator e agitador cultural


Deixe um comentário:



Captcha


Lucas Santos Sábado, 10/11 às 10:11

Saia dos muros da UESB, parasita do estado. Artista é quem faz pelo povo, você é só um lacaio que não conseguiu até hoje superar o fracasso da unerc.
» Responder